segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Samba, de todos os cantos, obrigado por enxugar meu pranto


Por Carlos Pinho.


A minha fé renasce a partir dos sambas que vivo, que ouço e que faço
No samba não há dogma e nem perseguição
O samba é de todos os deuses e de nenhum 
É o amor, sem barreiras nem amarras, cantando por si

E quando estou triste, entregando os pontos de tão cabisbaixo,
É no seu compasso que me refaço
Mais forte, mais sensato, com uma paz sem dimensão
Meu sacro-profano samba, nem sei o que seria de mim sem ti

Por tantas já passei, e os bambas do céu e da terra mal sabem 
As vidas que já salvaram com a sabedoria dos seus versos
E a exatidão dos acordes que parecem comuns

No entanto, dizem mais que sermões imersos
Nas profundezas do ódio; nem mantras, tampouco orações foram além
Somente o samba tocou minh’alma e, com uma voz materna... 

Foi capaz de ensinar que esse coração não é reles, 

nem tão-somente mais um.



segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Do meu jeito

 
Quero cometer os meus erros
Ser apenas eu mesmo
Sem olhar para trás
Ignorando a sociedade
Quero andar sem rumo
Molhar-me na tempestade
Não quero explicar meus atos
Deixe-me tentar atravessar a parede
E quebrar a minha cara
Quero cometer os meus erros
Andar com as minhas próprias pernas
Questionar meus pensamentos
Sem lei e sem Deus
Para me julgar
Ou dizer o que é certo
Eu trilho meu caminho
Eu enfrento as consequências
Eu julgo meus atos
Quero cometer os meus erros
Aprendo a minha vida
Ensino a mim mesmo
Quero me queimar com o fogo que eu fiz
O meu céu é o seu inferno
O meu inferno é a sua casa
Nosso quintal é o universo
Eu quero começar pelo fim
Pintando os muros com o verde que não enxergo
Quero cometer os meus erros
As minhas limitações são sempre antes do meu fim
Quero sambar e ser feliz
Brincar de ser louco
Sonhar em ser eu mesmo
Diferente dos robôs à minha volta
Não sou mais uma peça na engrenagem
Sou a mola mestra
Do meu mundo
Quero cometer os meus erros
Faço minhas regras
Conquisto os meus objetivos
Enfrento tudo e todos
Liberto meu sorriso
Vou atrás das minhas respostas
Quero dormir acordado
Quero não dormir
E assistir o Sol nascer
Enquanto a Lua se esconde na sua escuridão
Quero cometer os meus erros
Quero fazer minhas perguntas
Entender porque a rosa é rosa
Assim ela é chamada
Vou mudar a cor do céu
Quero ver as minhas cores
E quebrar as suas regras
Pagar pelo que eu fiz
Fazer o que eu sempre quis
Quero cometer os meus erros
Assim eu sou feliz
Um eterno aprendiz
Um poeta sem chão
Eu vôo na minha imaginação
Quero comemorar todo dia dois
Amar várias vezes a mesma pessoa
Ser amado por uma pessoa
Sentir saudade de quem está ao meu lado
Quero cometer os meus erros