terça-feira, 19 de junho de 2012

Séculos Indígenas e Milton Dacosta

A Caixa Cultural – RJ está apresentado duas exposições que valem à pena ser conferidas:

Séculos Indígenas no Brasil: essa é a IV edição da exposição Séculos Indígenas, parte de um projeto que começou em 1992 em Berlim. Projeto este que consiste em um registro fotográfico e audiovisual sobre a realidade dos indígenas no Brasil, realizado entre o cineasta Frank Coe e o líder indígena Álvaro Tukano. A exposição reúne objetos indígenas, imagens, fotografias e, inclusive, ela se dá dentro de ocas construídas para a exposição. Os indígenas reúnem arte e utilidade, natureza e viver bem. A exposição combina uma linguagem moderna, como com o uso de vídeos que podem ser vistos por um tablet, à cultura tradicional indígena e sua parte documental faz parte do projeto que tem quase duas décadas de atividade. Vale muito à pena conferir a exposição, a qual não é muito grande, porém bastante rica. Quando se vai na exposição não é facilmente perceptível, mas é interessante saber que ela está montada na forma de uma cobra, formada por palha, bambu, troncos e argila que, em conjunto com a formação de ocas e etc, cria um ambiente que tenta remeter a uma aldeia indígena.  A exposição reúne também depoimentos inéditos de pessoas que se tornaram referências indigenistas, como Darcy Ribeiro. A exposição se iniciou dia 1 de junho e vai até o dia 30 deste mesmo mês.



Milton Dacosta, a construção da forma: Milton Rodrigues Dacosta nasceu em Niterói em outubro de 1915 e faleceu na cidade do Rio de Janeiro em setembro de 1988. Milton Dacosta foi um pintor, desenhista e ilustrador brasileiro. Pintou figuras humanas geometrizadas sob influência do cubismo, aderiu ao abstracionismo geométrico e teve influências também do concretismo e do neoconcretismo. A exposição que a Caixa Cultural dá a todos a oportunidade de ver reúne 45 obras do artista, tanto de coleções públicas e particulares quanto do acervo familiar. A exposição reúne obras de seu primeiro período, o qual se desenvolveu sob influência do impressionismo, do período com influência do cubismo e do período construtivista – este último, por sinal, é aquele no qual o artista produziu aquelas que são consideradas as mais importantes obras de sua carreira. Segundo a curadora Denise Mattar, a exposição tem como objetivo traçar o percurso poético do artista. A exposição se iniciou em 15 de maio e vai até primeiro de julho.


A Caixa Cultural Rio de Janeiro se encontra na Avenida Almirante Barroso, 25 (esquina com a Avenida Rio Branco), no Centro e funciona todos os dias, exceto às segundas-feiras, das 10h às 21h.


3 comentários:

  1. Adoro o seu post,maravilhoso,estou sempre por aqui conferindo todas as novidades.
    Super beijos da Cigana Raicha
    http://ciganaluminosa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. hum gostei desse post! Vou conferir a segunda exposição.

    ResponderExcluir
  3. Olá, boa noite!
    Tenho um livro com diversas pinturas de artistas nacionais e internacionais, mas não tenho o Nome e Tamanho real dessas telas somente o nome do pintor.
    Uma me chamou a atenção foi a do Milton da Costa com uma menina andando de bicicleta sem as mãos e com borboletas ao fundo a primeira gravura lembra um pouco a que tenho no livro.
    Vocês saberiam o nome dessa tela e o tamanho real dela?
    Obrigado,
    Ricardo.

    ResponderExcluir