quarta-feira, 15 de junho de 2011

De livre só há os versos

Não há mais nada para ser escrito
Tudo já foi também reescrito
Palavras, imagens, sons.
Intertextualidade
Não há mais nada novo.
Palavras ordenadas de modo diferente
Sinônimos
Escrever o que se sente
Agir em desacordo.
Antônimos
Insisto
Persisto nessa ideia.
Escrevo.
Já nem sei mais o que.
Não é nem pra mim
Muito menos pra você.
Minha inspiração é o fim.
Inspiração? Ou seria expiração?!
Expulso o ar dos pulmões
Expiação!
Escrevo.
Bobos, inteligentes, esquisitos
Hão de me ler e admirar.
Não sei se é adequado que o façam.
Errado? Ao certo não sei o que é.
Sentido? Não o procuro.
Nada há aqui de extraordinário.
É apenas um poema ordinário.
Um poema?
Um sentimento.
Tolo e comum.
O fim é iminente.
Será?
Opinião momentânea.
Tristeza passageira.
Cegueira.
Daqui a pouco passa.
E mudo.
Passou!
Inconstância.
Típico de poetas.

3 comentários:

  1. legal. poesia é uma expiação...

    ResponderExcluir
  2. Poesia é uma expiação? Todo mundo tem direito a sua própria opinião, mas eu realmente tenho que discordar. Pra mim poesia jamais seria um castigo ou uma penitência. Ou até mesmo no sentido mais antigo, quase que só bíblico, uma forma de oração para moderar a divindade. Na minha opinião, poesia é algo bom! O.O

    ResponderExcluir
  3. Gosto de poesia passada a verso *-*

    seguindo, segue de volta?

    www.luliskd.blogspot.com

    ResponderExcluir